Buscar por:  


O Brasil de costas para sua indústria



A indústria sempre teve um papel decisivo nos ciclos econômicos mundiais, seja nos movimentos de crescimento ou de recessão. Esse dado é perceptível na história de países de todas as dimensões e continentes. Quando o vetor de uma nação é de decréscimo, normalmente sua indústria tem sérios problemas. O inverso também é verdadeiro. Quando o país está bem, o setor secundário está puxando a frente. 

Não é diferente do que vemos, agora, no Brasil, embora as causas não sejam apenas atuais. Faz tempo que a área reclama por uma visão estratégica dos governos, calcada numa política nacional duradoura para a indústria, bem como de medidas que protejam a competitividade imediata dos produtos brasileiros. Não raras vezes, nossas empresas são lesadas por práticas desleais de comércio internacional, sem uma reação proporcional das nossas representações. Nas últimas décadas, em governos de todas as matizes, não fomos bem em nenhuma das duas dimensões, isto é, nem na visão de longo prazo, tampouco no combate conjuntural.

Veja-se, por exemplo, a situação do setor de bens de capital, a chamada indústria de fazer indústria. A cadeia em questão amargou uma queda de quase 50% no faturamento em comparação a 2013. No mercado interno, a baixa chega a 60% das receitas no mesmo período. As consequências não podiam ser outras: Desemprego, queda de renda do trabalhador, parques industriais desativados, venda de empresas para grandes grupos internacionais, perda de competitividade, deficiência nas exportações e um sem-número de outros danos diretos e indiretos. Como já se disse, a indústria é uma espécie de motor do PIB. 

Impressiona, porém, que, mesmo com a série histórica e com as consequências explícitas na atualidade, erros semelhantes continuem ocorrendo. Na segunda quinzena de fevereiro, o governo mudou as regras da política de Conteúdo Local, reduzindo em 50%, em média, a exigência mínima de equipamentos e serviços produzidos no país para licitação de exploração de petróleo e gás. Isso abre portas para que o mesmo viés se repita em outras áreas. Na prática, afeta diretamente milhares de empresas nacionais e satisfaz meia dúzia de petroleiras, dentre as quais a Petrobras. 

Claro que a proteção da indústria local precisa ser graduada dentro da dinâmica do livre mercado, afastada a nociva superproteção. Mas não deve ser demonizada. Nossa aposta estratégica apenas em commodities é inconsistente, pois tem pouca capacidade de agregação de valor. 
Países como Noruega, Estados Unidos, Reino Unido e Arábia Saudita adotam a política de Conteúdo Local, enquanto Venezuela, Nigéria, Angola e Iêmen não adotam. Essa lista deixa claro em qual grupo deve estar nossa inspiração. Outro exemplo: O Japão protegeu sua indústria de automóveis por mais de quatro décadas, a ponto de a Toyota bater a GM. Ora, quem poderá dizer que foi uma decisão equivocada dos japoneses? 

Cito outro sinal de desprestígio para a indústria brasileira: A equipe econômica estaria disposta a mudar o cálculo da TJLP (Taxa de Juros de Longo Prazo), utilizada pelo BNDES para financiar investimentos. A intenção maior seria reduzir a diferença entre SELIC e TJLP, o que é meritório, mas isso pode ocorrer por meio da desaceleração da taxa básica. Assim, num futuro breve, o Tesouro ficaria desobrigado de subsidiar operações do BNDES. O que não pode é ocorrer por meio da inibição direta dos investimentos de longo prazo, sinônimo de tirar o pouco oxigênio que ainda resta no mercado. O efeito imediato será a progressiva substituição da produção local e, mediato, o aumento ainda maior do desemprego. 

Estamos tratando, portanto, da assimetria entre produzir aqui ou produzir no exterior. Simples assim. Pragmático assim. A sustentabilidade do setor secundário passa pela abordagem adequada de temas como Conteúdo Local, política industrial, juros civilizados, investimentos e, sim, ajuste fiscal. Vejam: Todas as pautas se confundem com a sustentabilidade do próprio país. E não há um Brasil próspero com uma indústria fraca. Assim como não haverá saída da crise sem o potencial deste setor. É hora de o governo demonstrar, na prática, que tem a clara dimensão do que significa a indústria brasileira.

Germano Rigotto  é ex-governador do Rio Grande Sul, presidente do Instituto Reformar de Estudos Políticos e Tributários, membro do Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social da Presidência da República e diretor de Ação Política da ABIMAQ (www.germanorigotto.com.br).



Índice


Envie para um amigo.
Número: 209
Abril/2017

Outras edições
select



Buscar matérias

Informaq

“Trazemos para o mercado muito mais que uma feira. Nossa proposta é compartilhar com os expositores e visitantes uma nova experiência, apresentando o que há de mais avançado em processos e tecnologias. Leia mais...

Representantes da ABIMAQ levaram propostas relacionadas às reformas tributária e trabalhista, Conteúdo Local, Taxa de Juros de Longo Prazo e Programa de Regularização Tributária (PRT). Leia mais...

Projeto do deputado federal Luiz Carlos Hauly prevê crescimento de 5% a 7% ao ano e desconcentração da renda no Brasil. Leia mais...

Entidade defendeu a necessidade de modernizar a legislação trabalhista para estimular investimentos e gerar novos empregos. Leia mais...

Especialistas destacam força de lei à negociação coletiva para resolver a complexidade da legislação trabalhista. Leia mais...

Entidade solicitou a reedição do Programa Especial de Parcelamento (PEP) e medidas para amenizar o problema dos créditos acumulados do ICMS de fabricantes de máquinas e implementos agrícolas. Leia mais...

O que falta para o país e que traz reflexos para a Petrobras é a ausência de uma política industrial que favoreça a competitividade, segundo a entidade. Leia mais...

“Um novo veículo de comunicação que contemple o setor de máquinas e equipamentos em toda a sua dimensão, abrangendo a área técnica, inovação e gestão era um desejo antigo. Leia mais...

A edição deste ano do ANUÁRIO ABIMAQ já está sendo elaborada, será apresentada oficialmente no dia 08 de dezembro e se constituirá em uma edição histórica e especial. Leia mais...

Diretoria eleita ficará à frente da Câmara Setorial de Máquinas e Equipamentos Gráficos no biênio 2017/2019. Leia mais...

Com o intuito de estreitar relacionamentos e parcerias com entidades afins, a Câmara Setorial de Máquinas e Equipamentos Gráficos (CSMEG) se reuniu. Leia mais...

A vice-presidente da Câmara Setorial de Máquinas e Equipamentos Gráficos (CSMEG), Ana Paula Freitas, foi uma das participantes da cerimônia. Leia mais...

Grupo criado pela ABIMAQ em 2014 reúne os principais fornecedores do Mercado. Leia mais...

Para debaterem oportunidades oferecidas no âmbito do programa Mais Alimentos Internacional, a pedido da Secretaria Especial de Agricultura Familiar. Leia mais...

Com o propósito de explicar sobre a parceria entre a ABIMAQ e Braskem que objetiva contribuir com a melhoria no desempenho e na competitividade das empresas. Leia mais...

Para expor um novo projeto que garante a redução de custos da cabotagem, por meio de contêineres, denominado “Projeto Cabotagem Manaus X Belém X São Sebastião”. Leia mais...

Equipe do Brazil Machinery Solutions reuniu-se com empresários do setor de máquinas e equipamentos para levantamento de contribuições do segmento, que subsidiarão a formatação do projeto em seu novo ciclo 2017-2019. Leia mais...

Programa Partilha do Conhecimento estimulou a troca de experiências entre as empresas do setor. Leia mais...

Em agenda intensa de reuniões com as principais instâncias políticas do país, a ABIMAQ apresentou os pleitos do setor, em Brasília. Leia mais...

Workshop promovido pela GE ajudará a criar possibilidades às empresas do setor que buscam ampliar seus negócios. Leia mais...

Com o intuito de contribuir com informações e, assim, colaborar com o trabalho de todos os envolvidos com a agricultura irrigada no Brasil. Leia mais...

Benefício compreende a elaboração de um Plano de Gestão da Inovação para as indústrias de máquinas e equipamentos, por meio de uma imersão in loco de verificação do atual. Leia mais...

Representantes do BNDES apresentaram as linhas de apoio do banco para bens de capital. Leia mais...

No dia 23 de março, a ABIMAQ, representada pelo seu presidente executivo, José Velloso, e seu diretor de Competitividade, Mario Bernardini. Leia mais...

Principais empresas do setor levam suas mais recentes tecnologias e novidades para atender às demandas dos produtores rurais. Leia mais...

Feira acontece de 9 a 13 de maio, no São Paulo Expo, para apresentar as novidades de grandes fabricantes nacionais e estrangeiros. Leia mais...

Grupo Técnico de Defesa Comercial (GTDC) foi criado pela Câmara de Comércio Exterior (CAMEX) para analisar a aplicação ou não da medida de defesa comercial, antecipadamente à decisão final. Leia mais...

Regime Especial de Reintegração de Valores Tributários para as Empresas Exportadoras tem o objetivo de devolver parcial ou integralmente o resíduo tributário remanescente na cadeia de produção de bens exportados. Leia mais...

No mês de fevereiro de 2017, os investimentos em máquinas e equipamentos registraram queda de 11,8%, em relação ao mês de janeiro de 2017. Leia mais...

A indústria sempre teve um papel decisivo nos ciclos econômicos mundiais, seja nos movimentos de crescimento ou de recessão. Leia mais...

Apoio institucional